terça-feira, 12 de setembro de 2017

O SINDSUPER NA LUTA PARA GARANTIR OS DIREITOS DOS 73 TRABALHADORES DEMITIDOS DO SUPERMERCADO BOA ESPERANÇA

video
supermercado boa esperança demite 73 trabalhadores , o sindicato SNDSUPER ja entrou com uma ação coletiva que sera realizada no 10 isso ja e reflexo da reforma trabalhista , imagine agora quando os sindicatos nao mais existir o que vai ser de nos trabalhadores, vamos juntos fortalecer os sindicatos nao fique so fique socio

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

NOTA PÚBLICA – O decreto frustrado de Temer e dos supermercadistas

NOTA PÚBLICA – O decreto frustrado de Temer e dos supermercadistas A FECESC, representando os trabalhadores no comércio e serviços do estado de Santa Catarina, divulga Nota Pública condenando a tentativa frustrada do governo golpista de Temer de destruir direitos históricos dos trabalhadores no comércio, através do frustrado Decreto nº 9.127. O decreto inclui “comércio varejista de supermercados e de hipermercados, cuja atividade preponderante seja a venda de alimentos” como atividade essencial.

De acordo com parecer da assessoria jurídica da FECESC, o decreto não tem força de lei nem pode se sobrepor à Lei nº 11.603/2007, que regulamenta o exercício da profissão de comerciário aos domingos e feriados, prevendo a necessidade de negociações coletivas para que os estabelecimentos comerciais possam abrir.
Conheça a íntegra da Nota Pública da FECESC e leia também, abaixo, o parecer da Assessoria Jurídica:

NOTA PÚBLICA
O decreto frustrado de Temer e dos supermercadistas

No dia 16/08, o governo de Michel Temer promulgou o Decreto nº 9.127, reconhecendo o comércio varejista de supermercados e hipermercados – cuja atividade preponderante seja a venda de alimentos – como serviço essencial. O objetivo do lançamento do decreto, em uma cerimônia prestigiada por grandes empresários do setor supermercadista, era um só: retirar direitos dos trabalhadores e facilitar a exploração por parte dos patrões. Entretanto, o decreto publicado que visava retirar a necessidade de negociação coletiva para a abertura de supermercados em feriados, não surtiu efeito concreto. O decreto promulgado por Temer não tem o poder para alterar a legislação em vigor que trata do trabalho aos domingos e feriados, permanecendo o disposto na lei nº 11.603/2007, ou seja, não altera em nada as regras atuais para negociação coletiva de aberturas de supermercados em domingos e feriados.
Se a medida pode ser tratada como um “tiro n’água” por parte do lobby empresarial do ramo de supermercados e do governo, não podemos desconsiderar o sinal apontado. Na esteira do profundo ataque contra as leis trabalhistas, visando destruir direitos históricos dos trabalhadores e aumentar as margens de lucro das grandes empresas, o governo Temer buscou de maneira fracassada retirar um importante direito dos trabalhadores em supermercados. A negociação coletiva para abertura das empresas varejistas nos feriados é o que garante aos trabalhadores que não percam o importante direito do convívio familiar nos domingos e feriados sem o mínimo de compensação financeira para isso. Sem tal necessidade, os trabalhadores ficariam à mercê de terem que trabalhar em domingos e feriados como se estes fossem dias normais.
O decreto tanto foi fracassado que, logo na semana seguinte à sua promulgação no diário oficial, o Sindicato dos Comerciários de Joaçaba e região conseguiu liminar na Justiça impedindo os supermercados de Joaçaba, Luzerna e Herval d’Oeste abrissem as portas no feriado municipal do dia 25/08, implicando em elevadas multas para quem descumprisse a decisão. Uma vitória importante para os trabalhadores, que demonstram na prática que não irão aceitar os desmandos promovidos pelo governo golpista de Temer.
Para além de comemorar a vitória, a postura dos sindicatos deve ser de permanente alerta e de organização dos trabalhadores para resistir contra as agressões de empresários e governo. A guerra de classes deflagrada pela classe dominante contra os trabalhadores não parou na aprovação da contrarreforma trabalhista, a busca desenfreada por lucros do capitalismo permanece e somente a nossa firmeza na luta pode colocar fim a este cenário.
Federação dos Trabalhadores no Comércio no Estado de SC
Florianópolis- agosto de 2017

CUT debate o futuro do trabalho na defesa dos direitos

Os principais desafios para o movimento sindical são o futuro das relações do trabalho e as novas tecnologias
Escrito por: Érica Aragão / CUT Nacional Depois da aprovação do regimento interno, os convidados da primeira mesa do segundo dia do 15º Congresso Extraordinário, que vai até a próxima quinta (31), trouxeram para o debate os temas “Financeirização, Automoção e o Futuro do Trabalho” que estão mudando as relações de trabalho no Brasil e no mundo, gerando trabalhos precários, desempregos e até extinção de algumas categorias no futuro do trabalho.
“Com a aprovação da Reforma Trabalhista, a Terceirizaçao e as transformações do mundo, com as novas tecnologias, a CUT precisa discutir e traçar estratégias para continuar lutando pelos direitos da classe trabalhadora”, explicou o secretário Geral da CUT, Sérgio Nobre.

CUT propõe projeto de lei de iniciativa popular para anular reforma trabalhista

O feriado de 7 de setembro é também conhecido como o dia do tradicional Grito dos Excluídos, que desde 1994 propõe manifestações com algum tema voltado ao combate às injustiças e desigualdades sociais. Para a CUT, que encerrou nesta quinta-feira (31) seu congresso extraordinário, será também dia de encaminhar a mais importante resolução do evento, segundo o presidente da central, Vagner Freitas: o lançamento de uma campanha para colher 1,3 milhão de assinaturas em apoio a um projeto de lei de iniciativa popular que anule os efeitos da reforma trabalhista. A campanha, acredita Vagner, será uma forma de os sindicatos estreitarem seu contato com os trabalhadores nos locais de trabalho, agora com “muito mais moral” para cobrar o alerta que faziam antes do impeachment – o de que o golpe que derrubou Dilma Rousseff não era contra Dilma, mas contra todos os direitos conquistados nas últimas décadas.

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Disseram que era um Sindicalista.

Morreu um sindicalista diante de um menino e o menino pergunta ao seu pai:

- Quem é essa pessoa que morreu?

Não sei, filho. Disseram que era um Sindicalista.

O menor se aproxima de uma pessoa que estava vestida com uma roupa muito elegante ... era o Diretor do Sindicato onde trabalhava o Sindicalista. O rapaz lhe pega a mão e  pergunta:

Eu poderia saber  o que é um Sindicalista ?
O Diretor responde com a voz trêmula e seus olhos cheios de lágrimas

Um Sindicalista ...

É uma pessoa que dorme menos do que muita gente pensa, passa frio, sol, chuva, fome...

Muitas vezes não está presente em momentos marcantes como os primeiros passos de um filho ... aniversário dos parentes e amigos ... reuniões e apresentações na escola ... pois passa boa parte de sua vida trabalhando  ..